Quais são as raízes da corrupção no Brasil

Há registros de apropriação do público pelo privado desde a época do Império. Abaixo, dois historiadores e uma socióloga analisam as origens desse comportamento e como a abordagem da sociedade sobre o tema evoluiu

 

“Quem furta pouco é ladrão / Quem furta muito é barão / Quem mais furta e esconde / Passa de barão a visconde”. Esse verso correu nas ruas do Rio de Janeiro na primeira metade do século 19, quando o Brasil ainda era uma monarquia e já convivia com a corrupção nas altas esferas do poder.

Outra canção anônima, do início do século 20, registrou o contato pouco republicano entre o delegado de polícia e o jogo ilegal: “O Chefe da Polícia / Pelo telefone / Manda me avisar / Que na Carioca / Tem uma roleta / Para se jogar”.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.