Qual a relevância dos novos movimentos diante da crise dos políticos tradicionais

‘Nexo’ entrevistou José Henrique Bortoluci, da FGV, sobre as semelhanças e diferenças entre 9 grupos que propõem mudanças na forma de participar da agenda pública no Brasil

     

    A crise enfrentada pelos partidos tradicionais vem abrindo espaço para a formação e ascensão de diversos grupos organizados da sociedade civil que tentam, cada um à sua maneira, renovar a política brasileira.

    A maioria desses grupos fala em “mudança de geração”. Para eles, o fisiologismo, a corrupção, o corporativismo e a ineficiência são as marcas de um jeito de fazer política que deve ser superado por formas mais transparentes de interação, baseadas no debate de agendas nas quais realmente prevaleça o interesse público.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.