A nova regra de terceirização no papel. E o que pode acontecer na prática

Lei aprovada na Câmara permite terceirizar qualquer atividade, mas não altera a CLT, que define as regras de uma relação de emprego. Palavra final será do Judiciário

    A aprovação da nova lei de terceirização em 22 de março pela Câmara dos Deputados e posteriormente sancionada pelo presidente Michel Temer levantou muitas dúvidas entre empregados sobre o que acontecerá com suas relações de trabalho no futuro.

    Parte da incerteza se deve à forma como o tema foi aprovado: a partir de um texto antigo de 1998, que estava parado desde 2002, discutido e votado em duas tardes na Câmara.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.