As suspeitas sanitárias sobre a carne brasileira, analisadas por este professor da Unicamp

Especialista diz que informações divulgadas pela Polícia Federal e Justiça sobre ácido ascórbico, cabeça de porco e carne podre são incorretas ou incompletas

    A Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal na sexta-feira (17), trouxe à tona suspeitas de irregularidades praticadas por frigoríficos brasileiros, incluindo grandes empresas como JBS (dona da Friboi e Seara) e BRF (responsável pelas marcas Perdigão e Sadia).

    A suspeita central é de um esquema de corrupção envolvendo suborno a funcionários do Ministério da Agricultura para a venda de carnes fora dos padrões exigidos pela lei brasileira.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.