Ir direto ao conteúdo

Por que o Brasil proibiu a fabricação de termômetros com mercúrio

Medida foi aprovada pela Anvisa e valerá a partir de janeiro de 2019. Saiba como proceder com segurança se o aparelho quebrar

A partir de 1º de janeiro de 2019 não serão permitidas no Brasil a fabricação, importação e comercialização de termômetros e medidores de pressão arterial com mercúrio. Eles não poderão ser usados em diagnósticos e serviços de saúde públicos e privados. Essa foi a decisão unânime da diretoria da Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) tomada na terça-feira (7).

A medida faz parte de uma tendência mundial de diminuição do uso do mercúrio e seus compostos. O elemento químico mercúrio é um metal pesado, tóxico aos seres humanos. Na tabela periódica, seu símbolo é o “Hg”.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, quando em contato com a pele, ingerido e principalmente inalado em sua forma gasosa, o mercúrio pode causar danos ao sistema nervoso, trato gastrointestinal, pulmões, rins, entre outros. A OMS afirma que os efeitos são especialmente perigosos para fetos, bebês no útero e recém-nascidos.

Em um termômetro, o mercúrio se encontra em pequenas quantidades e na sua forma elementar, o que oferece poucos riscos. Por isso, uma intoxicação quando um termômetro tradicional quebra é bastante improvável.

No entanto, em caso de quebra, o líquido pode evaporar parcialmente. Em sua forma gasosa, o mercúrio é muito mais danoso à saúde. É necessário cuidado na hora de limpar e descartar um termômetro danificado.

A intoxicação por mercúrio — cujos sintomas incluem tremores, insônia e perda de memória — pode ser fatal e é mais comum pela ingestão de peixes ou frutos do mar que haviam sido expostos ao mercúrio em seus ecossistemas, o que geralmente ocorre após vazamentos ou descarte inadequado de resíduos industriais na água.

O Brasil é um dos 140 países signatários da Convenção de Minamata sobre o Mercúrio, firmada em 2013 em Genebra, na Suíça. Além de recomendar o fim de produtos que utilizam o elemento, o acordo também trata de minas de mercúrio e de como lidar com o descarte e áreas contaminadas.

Com a decisão da Anvisa, a partir de 2019, serão cancelados os registros dos termômetros e medidores de pressão que utilizam a coluna de mercúrio. Como substitutos há sobretudo os produtos digitais.

A Anvisa afirma que os aparelhos com mercúrio já vêm sendo substituídos por tecnologias digitais. “De acordo com um levantamento de junho de 2016 apenas dois termômetros com coluna de mercúrio tinham registro na Anvisa, enquanto foram identificados 63 registros de termômetros digitais”, diz o órgão.

O que fazer se um termômetro quebrar em casa

Embora esteja se tornando obsoleto, o termômetro com mercúrio ainda é um item comum nos lares brasileiros. Estes são os seis passos recomendados pela Anvisa caso ele quebre:

  1. Não permitir que as crianças brinquem com as bolinhas de mercúrio;
  2. Utilizar luva e máscara e recolher os restos de vidro com toalha de papel;
  3. Colocar os resíduos em um recipiente plástico duro e hermeticamente fechado;
  4. As gotas menores podem ser recolhidas com uso de um seringa sem agulha ou com uma fita adesiva;
  5. Não use aspirador, pois isso vai acelerar a evaporação do mercúrio;
  6. Coloque todo o material em uma sacola fechada e entregue em algum local para destinação de material contaminante.

ESTAVA ERRADO: A primeira versão deste texto dava a entender que o mercúrio dentro de um termômetro é extremamente perigoso à saúde quando o aparelho quebra. Informações mais detalhadas e precisas foram acrescentadas no dia 10 de março de 2017 às 16h37.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!