Qual a diferença entre os palácios da Alvorada e do Jaburu

Presidente Michel Temer preferiu continuar morando na residência oficial dos vices. Projetados por Oscar Niemeyer, espaços se diferenciam tanto no tamanho quanto na concepção

    O pedido do então presidente Juscelino Kubitschek (1956-1961) ao arquiteto Oscar Niemeyer para a construção de sua residência oficial foi claro: “um palácio que daqui a cem anos ainda seja admirado”. Sob essa orientação foi projetado o Palácio da Alvorada, inaugurado em 1958. Desde então é lá que os presidentes de República devem morar durante o exercício do mandato.

    O atual chefe do Executivo, Michel Temer, porém, não gostou da ideia. Elevado ao comando do país interinamente em maio de 2016 e efetivado em agosto do mesmo ano, o vice que se tornou presidente mudou-se apenas em 17 de fevereiro de 2017 para o Alvorada. Sete dias depois, no entanto, ele e a família decidiram voltar para a residência oficial dos vices, o Palácio do Jaburu, onde já viviam desde 2011.

    Os palácios são alguns dos prédios oficiais da Presidência da República. Cada um deles foi concebido e projetado para funções diferentes.

    Palácios e residências

    • Palácio do Planalto: sede administrativa da Presidência da República, onde trabalha o chefe do Executivo
    • Palácio da Alvorada: residência oficial do presidente da República, onde também são realizados encontros e eventos oficiais
    • Palácio do Jaburu: residência oficial do vice-presidente
    • Granja do Torto: casa de campo oficial da Presidência

    Onde ficam os palácios

     

    Entre as idas e vindas de Temer, o Alvorada passou por reformas que custaram R$ 24 mil. O valor englobava reparos, trocas de móveis e a instalação de uma tela de proteção para evitar acidentes com o filho de Temer, Michel, de 7 anos.

    A tela foi criticada por um ex-curador do Palácio por desfigurar a arquitetura do prédio, tombado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). O órgão afirmou que autorizou a instalação por ter caráter temporário e razões de segurança.

    Após a volta do peemedebista para o Jaburu, a Presidência afirmou por meio de nota que o Alvorada não passou por reformas para “receber a família” de Temer, mas sim por “serviços de manutenção e reparos”, realizados periodicamente nos prédios oficiais.

    As semelhanças e diferenças entre os palácios

    O Alvorada e o Jaburu foram projetados pelo arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012). A arquitetura modernista, os lagos e os jardins estão entre as semelhanças entre os dois palácios, ambos abertos à visitação pública.

    Internamente as diferenças são maiores. Além das dimensões, menores no caso do Jaburu, os estilos também diferem. Na definição do site oficial do Palácio do Planalto, o Jaburu é uma “construção exclusivamente destinada a moradia”.

    Alvorada, um palácio

    A residência presidencial é considerada um dos símbolos do modernismo brasileiro. Ela fica em uma península que divide o Lago Paranoá em Lago Sul e Lago Norte, formada por três pisos. O superior é a área privada, onde ficam oito quartos, sendo quatro suítes.

    As colunas externas, as grandes janelas, o mármore e uma rampa com tapete vermelho fazem do Alvorada mais um palácio do que uma casa. O terreno tem área total de 400 mil metros quadrados (equivalente a 56 campos de futebol), sendo 7.300 metros quadrados de área construída, projetada também para ser um local de trabalho do presidente.

    O que tem no Alvorada

    • Capela, com paredes de madeira folheada em ouro
    • Heliponto, campo de futebol, piscina com 50 metros de comprimento
    • Espelho d'água e um lago interno
    • Salas de espera, de almoço e de música
    • Salão de Banquetes, para recepções oficiais, com 50 lugares
    • Salão Nobre, para recepção de ministros, chefes de Estado e convidados do presidente
    • Subsolo: espaço com sala de jogos e um cinema particular
    • Mezanino, área de circulação com obras de arte e peças históricas
    • Salão nobre, com quatro ambientes
    • Biblioteca, com acervo de 3.406 livros

    Dentro e fora do Alvorada, obras de arte compõem a decoração do Palácio, com itens de artistas brasileiros, em sua maioria, e de alto valor histórico. Há telas de Cândido Portinari, Carlos Scliar, esculturas de Victor Brecheret, pratarias, louças e mobiliários do século 18. Do lado de fora, emas, garças e patos ficam livres pelo lago e pelo jardim.

    “Dedicamos às colunas, em virtude disso, a maior atenção, estudando-as cuidadosamente nos seus espaçamentos, forma e proporção, dentro das conveniências da técnica e dos efeitos plásticos que desejávamos obter. Estes nos levaram a uma solução de ritmo contínuo e ondulado, que confere à construção leveza e elegância, situando-a como que simplesmente pousada no solo”

    Oscar Niemeyer

    arquiteto, em relato publicado no site Fundação Oscar Niemeyer

    Jaburu, jeito de casa

    A residência oficial dos vice-presidentes foi projetada somente em 1973 e ocupada pela primeira vez em 1977, por Adalberto Pereira dos Santos, vice de Ernesto Geisel (1974-1979).

    A área construída é menor, com 4.283 metros quadrados, dentro de um terreno de 190 mil metros quadrados (equivalente a 27 campos de futebol). O Jaburu, nome da lagoa em seu terreno, fica próximo ao Lago Paranoá e entre os palácios do Planalto e da Alvorada.

    O Jaburu não tem os salões que compõem a residência presidencial. Os cômodos são menores e seu projeto prioriza as áreas verdes no entorno da casa. O jardim foi projetado pelo paisagista Roberto Burle Marx (1909-1994). A exemplo do Alvorada, também tem telas e esculturas, mas em menor número.

    O que tem no Jaburu

    • Pátio coberto, com espaço para uma mesa de reuniões
    • Piscina
    • Capela, com vitrais
    • Escritório
    • Sala de espera
    • Sala de estar
    • Sala de almoço
    • Sala de jantar, com capacidade para 10 lugares
    • No subsolo: sala de TV e cinema
    “Tudo isso explica os grandes espaços avarandados que projetamos: a preocupação da intimidade, com as salas voltadas para o interior; os quartos sem grandes aberturas, providos de janelas de veneziana e vidro e, num contraste procurado, as grandes superfícies envidraçadas ligando salas e jardins e a estrutura cobrindo a casa como uma placa protetora, mostrando com seus enormes vãos livres o progresso de nossa técnica construtiva”

    Oscar Niemeyer

    arquiteto, em relato publicado no site Fundação Oscar Niemeyer

    Bonito, mas impessoal

    Temer não falou sobre as mudanças. Segundo relatos de assessores, o presidente disse que o Alvorada era muito longe, e ele e sua família preferiam o Jaburu, mais “aconchegante”.

    A moradora anterior do Alvorada, a ex-presidente Dilma Rousseff (2011-2016), também tinha ressalvas à residência oficial, embora tenha cumprido o protocolo. Em entrevistas, a petista elogiava a beleza do Palácio, em especial os jardins, mas costumava dizer que não se sentia em casa.

    “O Palácio não foi feito para as pessoas morarem, não é? Eu acho que foi feito para visitarem. Mas, pela representação, eu tenho de morar aqui. Mas sempre que eu posso, eu fujo lá para o Torto porque o Torto é uma casa”, disse em uma entrevista concedida em 2011.

    O Torto era um local apreciado também pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), que costumava jogar futebol e fazer churrascos. Lá foi a residência escolhida pelo ex-presidente João Figueiredo (1979-1985), que aproveitava o espaço para criar cavalos. O ex-presidente Fernando Collor (1990-1992) também não morou no Alvorada, e ficou na Casa da Dinda, de sua propriedade.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: