Quais as normas e os limites para os contratos de doações de empresas à Prefeitura de SP

João Doria faz da relação com o setor privado uma das marcas de sua gestão. Procedimentos precisam seguir critérios legais e administração ainda está devendo espaço com detalhes dos atos firmados

     

    Antes de ser prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) era empresário e publicitário. Já na campanha o tucano dizia que, se eleito, levaria a “eficiência” da gestão privada para o serviço público. Na cadeira de prefeito, Doria tem explorado bastante essa ideia: abriu as portas da cidade para doações de empresas ao mesmo tempo em que promete privatizar bens e serviços públicos.

    Os acordos de doação e parceria feitos por Doria vão da área de limpeza urbana até a de saúde. Cada acordo é registrado pelo prefeito em suas redes sociais, em que ele cita os nomes das empresas e afirma que as ações têm “custo zero para os cofres públicos”. A expressão “gestão enxuta e eficiente” costuma encerrar as mensagens.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.