O caso da Fnac e a situação do mercado de livros e produtos eletrônicos no país

Mudança nos hábitos de compra e avanço do comércio digital têm levado grandes empresas do setor a resultados negativos

     

    Na terça-feira (28), o comunicado que detalha os resultados financeiros de 2016 do grupo francês Fnac sugeriu que a operação brasileira da empresa seria encerrada. Sem deixar claro de que maneira, a companhia sinalizou a busca de compradores de sua estrutura no país. No dia seguinte, a Fnac detalhou seus planos, dizendo que, na verdade, busca um parceiro local a fim de tocar a operação de suas 12 lojas.

    Independentemente do modelo a ser adotado, o anúncio é simbólico. A empresa francesa chegou ao Brasil em 1998 e popularizou o conceito de megastore no país com suas lojas gigantes de até 3000 m², grande acervo de livros, variedade de produtos eletrônicos e até cafeterias.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.