Como funciona a autonomia da Polícia Federal e qual a chance de um governo interferir em investigações

Órgão é subordinado ao Palácio do Planalto, mas presidente ou ministro da Justiça não podem dizer quais casos devem ser apurados e quais devem ser interrompidos

     

    O diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, divulgou uma nota oficial na quinta-feira (16) para afirmar que o órgão presta apoio total à Operação Lava Jato. Ele classificou como “totalmente infundadas as notícias” de que a investigação sofrerá “desmantelamento”.

    Daiello tem um perfil discreto e não costuma se posicionar publicamente. Nesse caso, ele agiu para tentar esfriar especulações de que haveria algum tipo de interferência na Polícia Federal para desacelerar ou barrar a Lava Jato, que investiga políticos com foro privilegiado, como deputados e senadores. Ministros do governo, ao qual à PF é subordinada, também são citados em delações.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.