Por que o livro ‘1984’ está de volta. E o que isso diz sobre o presente

Obra publicada em 1949 chegou ao primeiro lugar na lista de mais vendidos da Amazon na última semana

     

    O presidente recém-eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, tem sido o sujeito de um sem-número de manchetes neste início de ano. Ele não é conhecido por ser um amante da literatura, mas é parcialmente responsável por renovar a popularidade de um dos clássicos da literatura de língua inglesa do século 20: “1984”, de George Orwell, publicado em 1949.

    Passada uma semana desde a posse de Trump, o romance distópico de Orwell é o livro mais vendido na Amazon. O acontecimento pontual que o catapultou a essa posição foi uma declaração dada no dia 22 de janeiro por Kellyanne Conway, conselheira do presidente americano, no programa “Meet The Press”, da emissora “NBC”. Conway refutou os dados de audiência veiculados pela mídia que demonstravam que a cerimônia de posse do novo presidente havia sido esvaziada, e disse que o governo trabalhava com “fatos alternativos”.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.