4 reflexões de Zygmunt Bauman, das redes sociais ao ‘medo líquido’

Abordagem clara de temas contemporâneos contribuiu para que pensador polonês não ficasse restrito aos círculos acadêmicos

     

    O sociólogo polonês Zygmunt Bauman morreu nesta segunda-feira (9) aos 91 anos em sua casa em Leeds, no Reino Unido. Intelectual presente no debate de temas prementes da contemporaneidade, como globalização, consumismo e relações na internet, ele se destacou pela capacidade de transmitir sua mensagem de forma clara, transbordando os círculos da academia.

    Bauman nasceu em 1925 em Poznan, na Polônia. Sua família, de origem judia, fugiu em 1939 das forças nazistas, se mudando para a União Soviética. Lá, integrou uma unidade polonesa sob comando do Exército Vermelho, o que fez com que fosse posteriormente condecorado por sua bravura pelo governo polonês.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.