Ir direto ao conteúdo

Qual a contribuição dos imigrantes para a economia mundial

Estudo sustenta que PIB do planeta seria menor se trabalhadores permanecessem em seus países de origem

     

    A desglobalização foi uma das palavras do ano de 2016. Primeiro, a maioria dos britânicos decidiu pela saída da União Europeia, mais ambicioso bloco econômico e político que reúne quase três dezenas de países do continente. Meses depois, Donald Trump venceu a eleição americana prometendo o aumento de barreiras protecionistas e a expulsão de imigrantes dos Estados Unidos. Ondas nacionalistas e de protecionismos também puderam ser vistas em países como Áustria, Alemanha e França.

    Analistas relacionam a ascensão de políticas protecionista e de aumento de barreiras a imigrantes à insatisfação dos cidadãos com a economia. Sem emprego ou com a renda caindo, cidadãos de países desenvolvidos votam em quem põe a culpa da recessão nos produtos importados ou nos imigrantes. Entre 2000 e 2015, a imigração cresceu, em média, 2,4% ao ano. Segundo os dados, 3,4% da população mundial vive fora do país de origem.

    247 milhões

    número de imigrantes no mundo. Nove em cada dez deles mudou de país por razões econômicas

    Um imigrante é quem deixa seu país de origem pelos mais variados motivos. Ele está atrás de condições melhores de vida. O termo também engloba os refugiados, que fogem de perseguições políticas, religiosas ou de guerras.

    Um recente estudo do McKinsey Global Institute - um instituto de pesquisas ligado à consultoria McKinsey, mas independente de seus clientes - contabilizou a contribuição dos imigrantes para a economia mundial em 2015. E ela foi positiva, principalmente na América do Norte e na Europa.

    US$ 6,7 trilhões

    foi o total produzido por migrantes em 2015

    Os imigrantes produziram em 2015 cerca de US$ 6,7 trilhões em todo o mundo. Mas mais do que isso, a mudança deles para países desenvolvidos contribuiu para a economia mundial. O estudo mostra que o PIB mundial foi US$ 3 bilhões maior do que se essas pessoas estivessem trabalhando em seus países de origem.

    “Os migrantes de todos os níveis de habilidade contribuem positivamente para a economia, seja via inovação, empreendedorismo ou liberação de nativos para trabalhos de maior valor”

    Trecho do estudo do MGI

    Os migrantes contribuem com a economia do local onde trabalham e também com seus países. O volume de dinheiro enviado em 2015 ao local de origem foi de US$ 580 bilhões, cerca de 10% da produção total. O Nexo mostra em gráficos a importância da imigração para a economia em 2015.

    Comparação com países

     

    De onde para onde

     

    Os principais beneficiados

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!