Como os ecos da Guerra Fria influenciam a ação russa na Síria

Decisão de confrontar militarmente interesses americanos no Oriente Médio reaviva antagonismo criado em 1945 e prolonga uma das mais graves crises humanitárias do mundo

     

    O conflito sírio está reavivando disputas militares entre duas potências nucleares: a Rússia e os EUA, cujo histórico de rivalidade marcou todo o século 20, escrevendo na história um período que ficou conhecido como Guerra Fria.

    De um lado, os russos defendem hoje a permanência no cargo do atual presidente sírio, Bashar al-Assad. De outro, os americanos respaldam grupos rebeldes que defendem a saída de Assad, cuja família está no poder há 53 anos ininterruptos. No meio, estão milhares de civis que tentam fugir da guerra, resultando numa das mais graves crises humanitárias da atualidade.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.