Ir direto ao conteúdo

9 momentos em que George Michael fez história na música pop

Cantor e compositor morreu aos 53 anos em sua casa, no Reino Unido. Relembre sua trajetória

     

    O cantor e ícone da música pop George Michael morreu neste domingo (25), aos 53 anos. A causa da morte não foi revelada. Segundo o porta-voz do cantor, Michael morreu em casa e "em paz". A polícia diz que não há circunstâncias suspeitas para a morte.

    Nascido em 1963 como Georgios Kyriacos Panayiotou, Michael fez história com inúmeros hits - é um dos poucos músicos no panteão dos que venderam mais de 100 milhões de discos - e marcou os anos 1980 e 1990 na música e no seu posicionamento como artista.

    Aos 21 anos, George Michael já era sucesso internacional. Passava uma imagem de virilidade e sexualidade, fez músicas e clipes que se tornaram símbolos da libertação. Mas, na vida pessoal, enfrentava depressão, problemas com drogas e o drama de não assumir sua sexualidade abertamente - o que só aconteceu no final dos anos 1990. George Michael viveu o auge da epidemia da Aids e perdeu um companheiro em decorrência da doença, mas não pôde falar sobre isso.

    Na face pública, no entanto, Michael permaneceu um artista irretocável. Foi compositor, cantor e produtor - funções que combinou em vários de seus discos - e soube retratar uma época tanto em estética quanto em temática. Michael falou de relacionamentos, de injustiça, de guerra, de liberdade sexual, direitos humanos e fez oposição aberta a políticos como George W. Bush em suas composições.

    Permaneceu entre os grandes por décadas: foi considerado pela revista Billboard o 40o artista de mais sucesso no mundo, em uma lista com os 100 maiores.

    "Estou em profundo choque. Perdi um amigo amado, a alma mais gentil, mais generosa e um artista brilhante", declarou o músico Elton John, amigo e contemporâneo de George Michael.

    Nove músicas que retratam uma época

    'Careless Whisper' na China

    Entre 1981 e 1986, George Michael fez parte da dupla pop Wham!, em parceria com o amigo de infância Andrew Ridgeley. A dupla emplacou vários sucessos ao longo da década - "Careless Whisper", e "Wake me up before you go-go" são os mais conhecidos. A popularidade fez o Wham! se tornar a primeira banda ocidental de música pop a se apresentar na China desde a revolução comunista, em 1949. O show de 1984, histórico, teve na plateia até membros do governo:

     

    'I Want Your Sex' e o sexo na TV

    "I Want Your Sex" foi o primeiro single de "Faith", primeiro álbum de estreia da carreira solo de George Michael. Várias rádios boicotaram a música por causa da letra de cunho sexual. Mesmo assim, a música chegou ao terceiro lugar na parada das 100 mais tocadas da revista Billboard. Este é o clipe (que só era exibido nas madrugadas da MTV):

     

    'Faith', ícone pop

    O segundo single lançado foi "Faith", do álbum homônimo, em 1987. A música chegou ao número 1 na parada da Billboard e ali permaneceu por quatro semanas consecutivas. O sucesso do disco - de público e crítica, que o classificou como "obra-prima" da música pop.

     

    'Praying for time', um manifesto contra a injustiça

    Lançada em 1990, 'Praying for time' tem um clipe que destoa dos outros de sucesso de George Michael: consiste apenas em um fundo preto com a letra da música. A canção fala sobre a pobreza, a fome, o ódio e a hipocrisia:

     

    'Freedom 90', o hino de uma década

    'Freedom 90' é uma das - senão a mais - icônica canção da década de 1990. A letra é um clássico sobre liberdade - e também pode ser interpretada como um posicionamento do artista em relação à própria sexualidade, antes de assumi-la publicamente.

    Seu clipe reflete o momento pessoal de George Michael, que buscava reforçar sua identidade e tentava combater seu próprio status de símbolo sexual: o cantor não aparece nele. Quem o estrela são algumas das modelos mais famosas da época, como Naomi Campbell, Cindy Crawford e Linda Evangelista:

     

    'Somebody to love', um cover histórico

    Entre a década de 1980 e o início dos anos 1990 a epidemia da Aids estava em seu auge - a doença tirou em 1991 a vida de Freddie Mercury, vocalista do Queen, outro ícone da música na época. Em 1993, George Michael foi chamado para participar de um tributo à Freddie Mercury junto com o Queen e sua performance foi tão impressionante que cogitaram o chamar para substituir o cantor original:

     

    'Jesus to a child', um tributo ao ex-companheiro

    George Michael também teve sua vida afetada pela Aids. O então companheiro do cantor, o estilista brasileiro Anselmo Feleppa, descobriu que tinha Aids em 1991, depois de seis meses de relacionamento. Feleppa morreu em 1993 em decorrência de complicações relacionadas à doença. George doou royalities de três canções para fundos de pesquisa sobre a Aids. A música 'Jesus to a Child' é um tributo ao ex-companheiro brasileiro:

     

    'Shoot the Dog', protesto contra Bush

    Lançada em 2002, a música é um hino de protesto contra George W. Bush, então presidente dos EUA. O clipe da música é autoexplicativo:

     

    'Outside' e a saída do armário

    George Michael escondeu sua sexualidade por décadas. Em 1998, ele foi preso por um policial à paisana por tentar praticar ato obsceno em um banheiro público. O incidente foi o estopim para o músico começar a falar abertamente sobre a sua sexualidade e foi satirizado no clipe de 'Outside', de 1998:

     

    "Até o momento de minha prisão, eu era totalmente ingênuo em relação ao grau de homofobia que existe por aí. Quando olho para trás, acho que não há dúvida de que minha carreira teria sido prejudicada se eu tivesse assumido a homossexualidade antes."

    George Michael

    músico, em entrevista ao jornal "The Independent" em 2005

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!