Como o antigo ato de bordar acabou ganhando um novo significado nos dias atuais

Prática antes associada a donas de casa e senhoras idosas voltou pelas mãos de jovens feministas

     

    Durante muitas décadas ponto cruz foi disciplina obrigatória para mulheres. Saber bordar e tricotar era tão essencial quanto cozinhar e cuidar dos filhos. A prática, historicamente associada ao papel do gênero feminino, ganha agora um novo significado, a partir de grupos que se reúnem para debater feminismo enquanto realizam trabalhos artesanais.

    Nos últimos anos, surgiram lojas e cursos dedicados ao bordado, crochê, tricô e macramê. O coletivo Clube do Bordado, por exemplo, foi criado em 2013 com a proposta de trabalhar temas de gênero com o tempo exigido pelas atividades artesanais, resgatando uma prática tradicional.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.