Anarcha, Lucy e Betsy: as escravas mães da ginecologia moderna

Cura cirúrgica para a fístula vesico-vaginal é atribuída a um médico. Mas pouco se fala sobre escravas que fizeram parte de seus experimentos

 

O médico americano James Marion Sims é considerado o pai da ginecologia moderna. Ele atuou nos EUA na metade do século 19 e é responsável por desenvolver a cura cirúrgica de uma condição que afeta mulheres: a fístula vesico-vaginal. Suas descobertas, porém, só foram possíveis por causa de escravas utilizadas sistematicamente em seus experimentos - e, muitas vezes, sem anestesia.

As desconhecidas que tornaram possível que Sims desenvolvesse a cura para a fístula são pesquisadas pela médica e historiadora Vanessa Gamble, da Universidade George Washington, nos EUA.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.