Experimento mostra efeitos da violência sexual no cérebro das vítimas

Em estudo com ratos, pesquisadores identificaram perda de memória e de capacidade de aprendizado após agressão

Foto: Sue Clark/Creative Commons
Agressões sexuais estão relacionadas à perda de memória e de certas funções cognitivas também em humanos
 

Hoje, no mundo, uma a cada três mulheres já sofreu algum tipo de violência sexual. No Brasil, cinco pessoas são estupradas por hora, segundo dados mais recentes do anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Os danos podem ser físicos - lesões ósseas, musculares ou no aparelho genital, dores crônicas e problemas cardiovasculares - e psicológicos. Eles incluem, com frequência, ansiedade, depressão, abuso de álcool e drogas, maior tendência ao sexo desprotegido e ao suicídio, segundo a Organização Mundial da Saúde. As marcas psicológicas desse tipo de agressão são profundas: duram anos e dificultam a vida social e afetiva das vítimas.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.