Assassinatos de pessoas trans: a posição do Brasil num ranking precário, mas simbólico

Quantidade de registros varia não só de acordo com a violência em si, mas também com a sensibilidade da mídia de cada país para casos do tipo e a existência de uma sociedade civil organizada em torno do tema

 

O Brasil responde por 42% dos 295 casos de assassinatos de pessoas trans registrados em 2015 no mundo. Com 123 mortes, o país fica bem à frente do segundo colocado, o México, onde houve 52 registros. E se mantém na primeira posição do ranking anual que contabiliza mortes dessa população.

As informações são da Transgender Europe, uma ONG voltada à defesa do direito das pessoas trans que atua principalmente na Europa, mas também acompanha países de outras regiões do mundo. A maior parte das mortes ocorre com pessoas que se prostituem. O relatório chama atenção para o Dia Internacional da Memória Trans, que ocorre no domingo, 20 de novembro.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.