Ir direto ao conteúdo

As videochamadas do Whatsapp e os problemas crônicos da internet móvel brasileira

Aplicativo de mensagens anunciou a nova funcionalidade na terça-feira (15). Ela estará disponível para os usuários de forma gradativa

     

    O WhatsApp anunciou na terça-feira (15) o lançamento de uma nova funcionalidade que permitirá chamadas em vídeo. Até hoje, as maiores novidades propostas pelo aplicativo - chats em grupo, mensagens de voz e chamadas de voz - foram bem aceitas pelos usuários. É provável que as chamadas em vídeo sigam o mesmo caminho.

    “Sabemos que muitas vezes texto e voz não são suficientes”, justificou o Whatsapp em um post. Segundo a empresa, a nova funcionalidade será liberada para seus 1 bilhão de usuários de forma gradativa ao longo dos próximos dias. Ela está disponível para os aparelhos Android, iPhone e Windows Phone.

    Só no país, o Whatsapp tem 100 milhões de usuários. Se o recurso cair na graça do público, alguns dos problemas da internet móvel no Brasil ficarão bastante evidentes.

    Como usar o recurso

    Atualização

    Certifique-se que sua versão do Whatsapp é a mais recente, identificada com o número 2.16.318, que pode ser verificado na área de “configurações”, depois em “sobre e ajuda”.

    No chat

    Dentro da conversa, clique no ícone de chamadas no canto superior direito (onde normalmente se inicia uma ligação). Se o novo recurso já estiver disponível para você, aparecerá a opção de fazer uma chamada em vídeo. Ele também só funciona se seu contato tiver a função habilitada.

    Durante a ligação

    É possível trocar as câmeras - frontal e traseira - e realizar outras tarefas enquanto conversa. Se você sair do app, ele congela o vídeo e mantém apenas a comunicação por voz.

    Por que você deveria evitar o uso fora do Wi-Fi

    No post em que divulga a funcionalidade, o Whatsapp diz que atendeu a uma demanda do público e que quer disponibilizá-la “indiscriminadamente para todos”.

    O recurso pode popularizar esse tipo de chamada no país, mas seu uso esbarra em uma questão: oos problemas crônicos do país em relação à internet móvel.

    O consumo de dados é alto

    Assim como na maior parte dos países do mundo, no Brasil, as operadoras de telefonia celular têm planos com limite no consumo de dados - ou seja, o volume de informação que você acessa na internet. Alguns recursos consomem menos dados, como a troca de mensagens, e outros consomem mais. É o caso dos vídeos.

    O site Gadgets 360 fez um teste: 1 minuto de chamada no Whatsapp gasta, em média, 3.2 MB de dados. É mais ou menos o mesmo consumo do Skype, aplicativo de chamadas da Microsoft, e um pouco superior ao Facetime, que permite comunicação em vídeo entre dispositivos da Apple.

    Ou seja: se você falar todos os dias em vídeo por 8 minutos, consumirá mais ou menos 240 MB de dados por mês. É o suficiente para acabar com o pacote básico de dados pré-pago da operadora Vivo, por exemplo (e sem usar nenhum outro aplicativo).

    Para efeito de comparação, no Whatsapp, o envio e o recebimento de uma mensagem de texto consome entre 1 e 2 KB, e uma foto, mais ou menos 85 KB. Um minuto de ligação por voz consome três vezes menos do que por vídeo. Ou seja: com a quantidade de dados consumidos em uma única chamada de vídeo de quatro minutos seria possível enviar mais de 8 mil mensagens de texto, enviar e receber mais de 150 fotos ou falar em uma ligação por 12 minutos.

    A chance de um usuário desavisado esgotar a franquia de internet com vídeos, portanto, é muito mais alta. Hoje, no Brasil, as operadoras podem reduzir a velocidade (a ponto de a internet ficar inutilizável) ou suspender o acesso à internet se o consumo ultrapassar o limite.

    A qualidade da internet

    Além disso, as chamadas de vídeo precisam de uma boa conexão na internet. Um levantamento feito pela entidade inglesa de avaliação OpenSignal e divulgado pelo Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) revelou que as redes móveis no Brasil têm qualidade 23% inferior à média mundial.

    Há problemas como velocidade - a média nacional é 1,97 Mbps, três vezes menor do que no Reino Unido - e a falta de cobertura das redes 4G, mais rápidas. Hoje a maior parte das pessoas que se conecta pela internet no celular o faz através das redes 2G e 3G.

    Por isso, a melhor maneira de aproveitar o recurso é através de redes Wi-Fi.

    O Whatsapp e as operadoras: novo capítulo da disputa

    O lançamento do novo recurso do Whatsapp pode ser mais um capítulo na briga com as operadoras de telefonia celular no Brasil.

    A popularização do aplicativo no país - hoje 100 milhões de brasileiros o utilizam - impactou na receita das operadoras. O aplicativo permite a troca de mensagens via internet, o que substitui o uso do SMS. E, com a opção de se realizar chamadas de voz, as tradicionais ligações telefônicas ganharam mais um concorrente no celular de cada cliente.

    No final de 2015, Amos Genish, presidente da Vivo, afirmou em entrevista à Folha de S. Paulo que o Whatsapp funcionava no país como uma operadora sem licença e que era “pirataria”.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!