Como fazer a própria roupa. E com moldes de estilistas consagrados

Grupo de artistas montou espécie de ‘biblioteca de roupas’ no centro de São Paulo, onde ajudam pessoas a costurar

     

    Um grupo de artistas de São Paulo tenta reviver e popularizar uma prática hoje relegada a especialistas ou trabalhadores de baixa renda: fazer as próprias roupas.

    No tradicional bairro do Bom Retiro, centro de São Paulo e polo da manufatura têxtil, montaram uma espécie de biblioteca de modelagem onde funciona a Casa do Povo - centro cultural e colaborativo da cidade. Ali, aos sábados, recebem pessoas interessadas em inventar e costurar a moda que usam no dia a dia, no que batizaram de Ateliê Vivo.

    Sob a coordenação da estilista Karlla Girotto, o grupo, chamado G>E (Grupo Maior Que Eu), disponibiliza o maquinário e os moldes de algumas peças criadas por estilistas renomados, como Fernanda Yamamoto, Alexandre Herchcovitch e Fabia Bercsek, componentes do acervo de Girotto. Além disso, fornecem monitoria ao longo do dia.

    “O projeto começou como uma inquietação nossa sobre a lógica da moda hoje: de como é o processo desde a escolha das pessoas que vão trabalhar até os estilistas que só produzem o que é mais vendido no mercado. Uma inquietação com o aceleramento e desvalorização da produção”, explica Gabi Cherubini, figurinista e integrante do G>E.

     

     

    Há um ano e meio funcionando na Casa do Povo, eles recebem pessoas de todas as idades e gênero. “Tem desde criança de 8 anos que vem com a mãe, até senhoras, homens, gays, travestis….”, conta a figurinista. 

    A participação é gratuita, porém é necessário levar os próprios tecidos para a confecção da indumentária. Devido a demanda de público - o ateliê recebe até dez participantes por sábado - é recomendado chegar antes das 13h30 para pôr o nome na lista - as atividades têm início a partir das 14h e vão até 21h.

    “A nossa ideia é passar a autonomia do fazer da roupa. Que a pessoa possa escolher o tecido, tenha entendimento do corpo que está vestindo, de sua identidade. Não é uma aula, é mais uma experiência. não costuramos para ela nem fazemos modelagem. Vamos fazendo orientação e vivenciando junto.”

    Gabi Cherubini

    Figurinista e integrante do G>E

    Os organizadores também recomendam ter noções básicas sobre costura, por uma questão de manutenção das máquinas, como explica Gabi. No primeiro sábado de cada mês organizam a aula “Faça você mesma”, essa sim dedicada aos leigos. 

    Atualmente, os monitores trabalham como voluntário. Os recursos para manter o ateliê vêm de parcerias com instituições como o Sesc, do aluguel do espaço para cenografias e da venda de tecidos doados ao grupo. A partir de 2017, terão também financiamento do Proac - Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura da cidade de São Paulo. 

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: