Por que demarcar terras indígenas pode diminuir o aquecimento global

Estudo de entidades ambientalistas aponta que a posse de florestas por povos tradicionais, entre eles indígenas, é uma maneira eficiente de preservá-las

 

Ao afirmar que “as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se a sua posse permanente”, a Constituição de 1988 assegura aos povos indígenas o direito à demarcação das áreas que habitam. Um novo estudo aponta um argumento extra a favor da demarcação: ela ajuda a diminuir a emissão de gases estufa.

A prática é uma forma eficiente de manter essas florestas de pé e, consequentemente, impedir a emissão de gases causadores do aquecimento global, segundo o estudo “Por um patamar de captura de carbono em terras coletivas”, das ONGs ambientalistas Rights and Resources Initiative, Woods Hole Research Centre and World Resources Institute. Ele foi publicado na terça-feira (1).

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.