Por que a série ‘Black Mirror’ é tão perturbadora

Lançamento da terceira temporada resgata debate sobre a angústia e a paranoia inspiradas pelas distopias tecnológicas retratadas na série

     

    Na sexta, dia 22 de outubro, a Netflix disponibilizou os sete episódios da terceira temporada de Black Mirror. A série, aclamada por público e crítica desde o lançamento, em 2011, é uma antologia de episódios que retratam, sempre com histórias e atores diferentes, possíveis influências negativas da evolução da tecnologia na sociedade.

    As comparações frequentes com a série clássica “Além da Imaginação” não são exagero. Black Mirror tem como característica a capacidade de gerar uma espécie de paranoia tecnológica, uma angústia relacionada à maneira como a interface digital está se fazendo presente de maneira determinante em todos os âmbitos da vida em sociedade.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.