Sífilis, a epidemia que já não é mais tão ‘silenciosa’

Casos da doença aumentaram 32% no último ano. Crescimento tem a ver com o comportamento sexual e o despreparo dos profissionais de saúde

     

    O Ministério da Saúde lançou na quinta-feira (20) uma campanha nacional de combate à sífilis. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, classificou a incidência da doença como “epidemia”. Em 2015, foram 65 mil casos, um aumento de 32% em relação ao ano anterior.

    A doença é especialmente preocupante em gestantes, pois pode provocar aborto ou, se transmitida para o feto, pode causar má-formações no bebê, como surdez e deficiência cognitiva. Em 2015 foram 33 mil gestantes infectadas - número 20% superior a 2014. Segundo o ministério, 50% dos casos da doença são detectados no final da gestação, o que aumenta os riscos para o feto.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.