Diretor do BC faz apelo por spread mais baixo. Por que ele é tão alto no Brasil

Diferença entre o que os bancos pagam e o que cobram dos clientes cresceu com a crise. Banco Central quer “parcela de contribuição” das instituições

     

    O spread no Brasil já era um dos mais altos do mundo antes da crise econômica, mesmo assim cresceu bastante nos últimos anos. Segundo dados do Banco Central, a diferença de taxa entre o que os bancos pagam quando investimos (ou seja, quando eles pegam empréstimos dos clientes) e o quanto cobram para emprestar para esses clientes está em 40,7 pontos porcentuais - era de 25,7 em 2014, um crescimento de cerca de 15 pontos percentuais em dois anos.

    “[Spread bancário] é a diferença, em pontos percentuais, entre a taxa de juros pactuada nos empréstimos e financiamentos (taxa de aplicação) e a taxa de captação”

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.