Diretor do BC faz apelo por spread mais baixo. Por que ele é tão alto no Brasil

Diferença entre o que os bancos pagam e o que cobram dos clientes cresceu com a crise. Banco Central quer “parcela de contribuição” das instituições

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

     

    O spread no Brasil já era um dos mais altos do mundo antes da crise econômica, mesmo assim cresceu bastante nos últimos anos. Segundo dados do Banco Central, a diferença de taxa entre o que os bancos pagam quando investimos (ou seja, quando eles pegam empréstimos dos clientes) e o quanto cobram para emprestar para esses clientes está em 40,7 pontos porcentuais - era de 25,7 em 2014, um crescimento de cerca de 15 pontos percentuais em dois anos.

    “[Spread bancário] é a diferença, em pontos percentuais, entre a taxa de juros pactuada nos empréstimos e financiamentos (taxa de aplicação) e a taxa de captação”

    Definição do Banco Central do Brasil

    Em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", o diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania do BC, Isaac Sidney, disse na terça-feira (18) que os bancos precisam diminuir o spread. Atualmente, as instituições bancárias captam dinheiro (recebem investimentos) pagando 12,3% ao ano e emprestam, em média, a 53%.

    “Precisamos reduzir o custo do spread bancário ao cidadão, para o Estado, para o País e as instituições financeiras poderem dar sua parcela de contribuição.”

    Isaac Sidney

    Diretor do BC, em entrevista a "O Estado de S. Paulo"

    Uma das explicações para o aumento do spread está na crise econômica. Durante os períodos de recessão, a oferta de crédito diminui e as taxas cobradas aumentam. Com a piora da economia e o aumento do desemprego, cresce o medo da inadimplência. Os bancos se colocam na defensiva, subindo juros, para se prevenirem de eventuais calotes.

    O spread é um fator constantemente apontado como um problema para a economia nacional. À medida em que o custo do crédito é alto, as pessoas e empresas são desincentivadas a tomar empréstimos. Isso dificulta investimentos, empreendedorismo e consumo - consequentemente, a atividade econômica é afetada.

    Fora do Brasil

    O aumento do spread nos últimos meses tem a ver com a crise, mas a diferença entre o que os bancos cobram e o que pagam é historicamente alta no Brasil. Isso fica mais evidente quando se olha para as taxas praticadas em outros países.

    Comparação

     

    Porque no Brasil é tão alto

    A taxa cobrada pelos bancos para emprestar dinheiro é formada por: custo de captação, tributos pagos, custos administrativos, custo do risco e lucro dos bancos.

    No Brasil, a taxa básica de juros da economia, a Selic, que o Banco Central reduziu em outubro para 14% ao ano, remunera aplicações de baixo risco e funciona como um piso para os bancos.

    O custo do risco é o que aumentou mais nos últimos meses. Os bancos embutem no que cobram uma previsão de inadimplência, para se protegerem. Isso encarece o crédito.

    O que pesa

     

    Além disso, o mercado de bancos de varejo no Brasil é dividido entre poucas empresas, o que dificulta a concorrência que poderia resultar em redução de taxas. A baixa variedade de opções, somada à pouca educação financeira da população, podem indiretamente incentivar os bancos a praticarem juros maiores.

     

    O Banco Central diz que seu trabalho pela redução das taxas de spread bancário envolve a promoção de transparência de dados, tanto dos clientes como dos bancos. Assim, segundo o BC, as instituições podem avaliar melhor o risco de calote e os clientes podem escolher quem oferece as melhores taxas e serviços

    Guerra de Mantega

    A disputa pela redução do spread bancário no Brasil não é nova. No primeiro mandato de Dilma Rousseff, o ministro da Fazenda Guido Mantega cobrava com frequência as instituições pela redução das margens de lucro.

    A medida mais drástica do governo foi, em 2012, mandar reduzir o spread dos bancos públicos, principalmente da Caixa, para forçar a concorrência a seguir o mesmo caminho. Em um primeiro momento o spread baixou, mas logo voltou a subir. No fim de 2015, a margem dos bancos públicos já estava praticamente igual à dos privados.

    Na época, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) argumentou que a redução do spread estava diretamente ligada à diminuição dos custos dos bancos. Além da cobrança de IOF e da taxação de lucros dos bancos, a Febraban reclamava do nível de compulsórios - parcela do dinheiro das instituições que tem de ser mantida no Banco Central.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.