O mundo se reuniu em Quito para discutir suas cidades. Como isso afeta o Brasil?

Para urbanistas consultados pelo ‘Nexo’, coordenação entre governo federal e municípios poderia ser melhor

 

Desde 2008, a população urbana mundial é maior do que aquela vivendo em áreas rurais. É a primeira vez que isso ocorre na história da humanidade. Até 2050 esse contingente deve crescer cerca de 60%, e ultrapassar 6,3 bilhões de pessoas. As cidades devem, portanto, continuar a centralizar o debate sobre questões políticas, econômicas, sociais e ambientais.

Nesse contexto, a ONU organizou entre os dias 17 e 20 de outubro em Quito, capital do Equador, a Conferência sobre Habitação e Desenvolvimento Urbano Sustentável, ou Habitat 3. Participam do encontro cerca de 45 mil pessoas, entre elas prefeitos, representantes de movimentos sociais e acadêmicos.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.