Doação on-line cresce em 2016, mas isso não quer dizer muita coisa. Saiba por quê

Mesmo com o veto do financiamento empresarial, repasses a candidatos via internet permanecem sendo uma parte muito pequena do bolo do dinheiro que circula nos comitês. Marcelo Freixo é a exceção

     

    As novas regras para a disputa eleitoral de 2016 mexeram no bolso dos políticos e dos partidos. As empresas, que respondiam em média por 75% das doações, foram proibidas de financiar candidaturas. O resultado, como esperado, foi a queda na arrecadação: as campanhas ficaram 71% mais baratas.

    Na contramão dessas cifras, apenas as doações pela internet aumentaram na comparação com a eleição municipal de 2012. Não se trata necessariamente de uma notícia que demonstra uma tendência de digitalização do financiamento eleitoral brasileiro. A despeito do aumento, o desempenho da internet permanece quase imperceptível dentro do quadro total de doações.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.