Um antropólogo e um historiador respondem a 3 perguntas sobre a tinta jogada no Monumento às Bandeiras

Pedro Cesarino, da USP, e Antonio Celso Ferreira, da Unesp, falam sobre o episódio urbano que antecedeu a votação em São Paulo

     

     

    Foi com tintas coloridas que o Monumento às Bandeiras, um dos principais cartões-postais de São Paulo, amanheceu coberto no dia 30 de setembro. Câmeras de segurança registraram a pichação, ocorrida durante a madrugada. As imagens mostram um casal percorrendo a lateral da obra do escultor Victor Brecheret e empurrando um carrinho com um compressor de jato de tinta.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.