Ir direto ao conteúdo

Designer tenta viabilizar cafeteira versátil com apelo ambiental

Curitibano afirma que quer ‘resgatar o ritual’ de produção da bebida sem usar energia elétrica. O preço, porém, é alto

    O ritual de preparar e tomar café em casa, hoje, tem pouco de artesanato e muito de tecnologia. Cafeteiras caseiras são práticas, bonitas e, usando apenas energia elétrica e cápsulas, produzem um café que satisfaz boa parte das nossas necessidades quanto à bebida.

    O designer curitibano Maycon Aram quer subverter parte desse processo. Ele está tentando, por meio de financiamento coletivo, viabilizar a produção de uma cafeteira que promete ser versátil, além de resgatar o ritual do preparo do café - e sem energia elétrica.

    “Eu tomo uns dois cafés por dia. Ele não me acorda, mas o ritual do preparo é que me anima”, afirma. A cafeteira projetada por Aram, feita em madeira e aço, precisa só de pó de café e água quente para funcionar, e foi projetada para ser portátil.

    Segundo o designer, com pressões diferentes na manivela, o usuário pode controlar a intensidade do café, o que resulta em diferentes texturas, aromas e sabores.

    A questão ambiental

    Aram diz que a ideia é ter um produto que gere menos resíduos ambientais. O descarte de cápsulas de café se tornou questão ambiental nos últimos anos.

    Em fevereiro de 2016, a cidade de Hamburgo, na Alemanha, adotou uma política pública drástica para minimizar o impacto do lixo gerado pelo descarte de cápsulas: a cidade proibiu cafeteiras do tipo em prédios públicos.

    Além da ausência de cápsulas, ele garante que as cafeteiras serão produzidas a partir de matéria-prima local, de pequenos produtores. Outra promessa é a durabilidade da máquina.  “De três em três anos é preciso trocar as vedações de silicone. Mas a ideia foi construir uma cafeteira que pudesse ser passada de pai para filho”, diz.

     

    A cafeteira foi produzida com consultoria de baristas e já ganhou prêmios de design de produto. O projeto, que pretende arrecadar R$ 35 mil para dar início à produção, já chegou em pouco mais de 20 mil.

    Preço alto

    A cafeteira de Aram é cara. Em contribuições a partir de R$ 621, a recompensa para quem ajudar no financiamento é a própria cafeteira.

    A versão com a base de bancada sai por R$ 879, cerca de três vezes mais cara do que uma máquina eletrônica, que funciona com cápsulas.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: