O que permitiu a anulação da condenação dos policiais envolvidos no massacre do Carandiru

TJ paulista barrou julgamentos que culparam 74 PMs pela morte de 111 presos em 1992. Falhas no processo e posição da opinião pública ajudam a explicar decisão, segundo integrantes de ONGs de direitos humanos

    No dia 27 de setembro de 2016, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo anulou o julgamento dos 74 policiais condenados pelo massacre do Carandiru - como ficou popularmente conhecido o assassinato de 111 presos ocorrido em 1992 no interior da antiga Casa de Detenção de São Paulo.

    O massacre ocorreu com a entrada da Polícia Militar no presídio, para conter uma rebelião. Um longo processo se seguiu, com avaliação de um júri popular em etapas realizadas entre 2013 e 2014. Nelas, os policias acabaram condenados, mas, como recorreram, puderam permanecer em liberade.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.