O que as Filipinas têm a aprender com a guerra às drogas da Tailândia

Política bélica de Rodrigo Duterte é parecida com a de país vizinho. Hoje, tailandeses admitem fracasso e buscam novas formas de lidar com o tema

     

    Quando chegou à presidência, em maio, o presidente Rodrigo Duterte declarou “guerra às drogas” nas Filipinas, mandando policiais, militares e milícias “atirar para matar” em traficantes e usuários.

    A frase traduz uma política de governo e também a personalidade de Duterte, conhecido como “o castigador”. Nos últimos quatro meses, ele já xingou o presidente americano, Barack Obama, de “filho da puta” e ameaçou jornalistas, dizendo que eles não estavam “isentos” de serem assassinados.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.