O que o filme ‘Aquarius’ diz sobre a realidade urbana do Recife

Prédios de alto padrão na orla e mercado agressivo trazem reflexão sobre cidade, patrimônio e memória

     

    Mais de meio século atrás, o cinema brasileiro entoava, na trilha de Sérgio Ricardo para o filme de Glauber Rocha “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964), a profecia de Antônio Conselheiro: “O Sertão vai virar mar/e o mar vai virar sertão”. 

    Em 2016, o “Aquarius” de Kleber Mendonça Filho, produção pernambucana que trata da batalha entre uma construtora que quer pôr abaixo o último prédio do século passado na beira da praia e sua moradora remanescente, poderia dar origem a outro canto sobre a paisagem nordestina - desta vez urbana. A orla do Pina (bairro nobre na zona sul da capital pernambucana, contíguo a Boa Viagem) virou prédio de alto padrão.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.