Como 8.000 armas do Brasil foram enviadas a um dos conflitos mais sangrentos da atualidade

Procuradores denunciam ex-executivos de fábrica do Rio Grande do Sul por negócio com homem apontado pela ONU como traficante internacional de armas. Transação pode ter furado bloqueio internacional imposto ao Iêmen

     

    Dois ex-executivos da brasileira Taurus - maior fabricante de revólveres do mundo - foram denunciados pelo Ministério Público Federal em razão da venda de 8.000 pistolas, que acabaram sendo enviadas ilegalmente ao Iêmen, palco de um conflito armado que já deixou mais de 10 mil mortos desde seu início, em 2015.

    A investigação corre em segredo de Justiça na 11ª Vara Federal de Porto Alegre desde maio. Segundo informações atribuídas pela agência Reuters e pelo jornal “Zero Hora” aos procuradores do caso, trata-se de um esquema internacional de tráfico de armas no qual dois ex-executivos da empresa brasileira - Leonardo Sperry e Eduardo Pezzuol - teriam desempenhado papel central na venda, burlando embargo de armas imposto pela ONU (Organização das Nações Unidas).

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.