Como um tapete vermelho provocou um incidente diplomático entre a China e os EUA

Ao chegar na cúpula do G20, Obama tem de sair pela ‘porta dos fundos’ de seu avião presidencial. Mídias chinesa e americana buscam interpretações para incidente, que ganha ares de disputa silenciosa

    Um incidente aparentemente insignificante tem sido explorado exaustivamente por americanos e chineses. Jornais dos dois países tentam interpretar o fato de o presidente dos EUA, Barack Obama, ter desembarcado na cidade chinesa de Hangzhou por uma espécie de porta dos fundos do avião Air Force One, sem usar o tapete vermelho que foi estendido pelo cerimonial chinês a todos os outros 19 presidentes que participam da cúpula do G20.

    O desembarque de Obama foi no sábado (3). Agora, importa muito menos o fato em si do que as inúmeras versões e interpretações que ganharam corpo, elevando o incidente protocolar à categoria de um incidente diplomático que envolve duas potências nucleares e econômicas que divergem frontalmente em vários pontos da agenda internacional.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.