Quais são os argumentos de quem não vê a gentrificação como algo necessariamente ruim

O termo surgiu no Reino Unido na década de 1960 como fenômeno urbano e desde então é visto como problema. Mas há ressalvas

    A palavra vem do inglês: “gentrification”. Cunhada nos anos 1960 pela socióloga Ruth Glass, serviu para descrever as mudanças no perfil de bairros da zona norte de Londres. A palavra “gentry” é usada para designar “bem-nascidos”. No caso, moradores e comércios estavam sendo substituídos por ocupantes e estabelecimentos de renda e preços mais altos.

    Desde então, o neologismo é usado de forma pejorativa, comparando a especulação imobiliária que acontece nesses bairros a uma “faxina social”. A comparação é feita pois a chegada de moradores de alta renda atrai investimentos ao bairro que elevam os valores dos aluguéis, deixando os preços inviáveis para a população de menor poder aquisitivo que ali vivia - e precisa se mudar para locais mais afastados.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.