No pódio e no quartel. De onde vem o ritual militar de bater continência e o que ele significa

Atletas ligados às Forças Armadas fazem saudação na Olimpíada do Rio e reacendem debate sobre um gesto que vem desde a Idade Média

     

    Das dez medalhas conquistadas pelo Brasil na Olimpíada do Rio de Janeiro até segunda-feira (15), apenas duas não são de atletas que se tornaram militares das Forças Armadas.

    Nas cerimônias de premiação, alguns deles têm saudado a bandeira nacional batendo continência. O gesto militar está previsto no Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas (Decreto no. 2.243, de junho de 1997), mas chama a atenção do público civil e provoca críticas fora do ambiente militar.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.