Ir direto ao conteúdo

Como os holandeses estão construindo ilhas artificiais para limpar um lago

Projeto pretende limpar o lago de Markermeer utilizando o lodo presente na água para construir ilhas artificiais

 

Com cerca de metade das suas terras abaixo do nível do mar, a Holanda teve que realizar diversas obras de engenharia durante a sua história para viabilizar sua existência como a conhecemos. Agora, o país está executando um ambicioso projeto de criação de ilhas artificiais a partir de lodo para compensar o impacto ambiental desse redesenho geográfico.

Um dos maiores esforços de engenharia da história do país foi a construção das Zuiderzeewerken, uma série de obras que ampliaram na década de 30 as terras disponíveis para agricultura e aumentaram a segurança contra enchentes no centro-norte do país, próximo a Amsterdã, a capital holandesa.

Pelo seu grau de complexidade, essa é considerada uma das maravilhas da engenharia do século 20. Um de seus resultados é o lago de Markermeer. No entanto, o lodo que se acumula no fundo da água e é suspenso pela ação do vento e dificulta o desenvolvimento de vida.

Como se formou o Markermeer

Baía

O Markermeer fazia parte da baía de Zuiderzee, que era parcialmente separada do Mar do Norte por uma série de areais.

Dique

Na década de 30, engenheiros construíram o dique de Afsluitdijk, que isolou a baía do mar, transformando-a em um lago chamado Ijsselmeer.

Represa

Em 1976, foi finalizada a construção de uma represa que dividiu o Ijsselmeer.

O Markermeer

Uma parte isolada do Ijsselmeer foi chamada de Markermeer, que tem uma profundidade média de cerca de 3,6 metros. A parte mais próxima a Amsterdã é conhecida como IJmeer.

Mapa do Markermeer

 

Como o lago é raso, ventos criam ondas capazes de agitar o lodo presente no fundo. Sedimentos flutuam pela água e a deixam escurecida. Luz do sol e oxigênio são bloqueados, impedindo a fotossíntese e o crescimento de plantas e algas.

Pássaros e outros seres vivos perdem suas fontes de alimentação, e a vida no local é prejudicada como um todo.

O estudo “Efeitos de sedimentos suspeitos sobre mexilhões do lago Markermeer, na Holanda”, publicado em 2013 no periódico “Inland Waters” afirma que as altas concentrações de matéria suspensa na água prejudicaram a quantidade de mexilhões no fundo do lago a partir do início da década de 1990.

Ilhas de lodo

Agora, um projeto da Sociedade Holandesa para Conservação da Natureza está usando o lodo como matéria prima para construir ilhas artificiais, praias e pantanais. Fundada em 1905, a sociedade é ligada ao governo holandês. Ela tem mais de 719 mil membros, e é voltada à preservação da natureza e da cultura do país.

No projeto, a entidade se espelha nas chamadas Ilhas Wadden, um conjunto de ilhas naturais localizadas na costa norte do país. Por isso, as ilhas construídas no Markermeer receberam o nome de Marker Wadden.

A expectativa é de que, além de servirem para retirar o sedimento que está atualmente no fundo do lago, as ilhas sirvam para capturar e ancorar mais sedimento no futuro.

O site da Sociedade Holandesa para Conservação da Natureza afirma que os fundos para as alterações foram captados através de doações e da loteria postal da Holanda.

  • A construção teve início em abril. Uma primeira ilha, mais ampla, tem custo inicial estimado em € 70 milhões.
  • Outras quatro ilhas menores serão construídas em uma segunda fase, com custo de € 50 milhões.
  • Outros € 225 milhões serão gastos para construir e proteger o ecossistema do local.
 

Como modelar ilhas a partir do lodo

Para realizar o trabalho, a Sociedade Holandesa contratou a empreiteira Boskalis, que tem envolvimento na construção de ilhas em outros países do mundo, como Indonésia e Panamá.

Segundo artigo do site City Lab, com o auxílio de máquinas, os sedimentos são então capturados dessas concavidades e bombeados continuamente em um mesmo local, criando as ilhas.

Depois elas podem ser remodeladas e cortadas por canais artificiais, por exemplo. O vídeo abaixo mostra o primeiro aparecimento das ilhas fora da água.

 

De acordo com a empreiteira Boskalis, como os sedimentos são finos demais para se manterem fixos, diques de areia em forma de anéis são construídos ao seu redor para contê-los.

Após a formação das ilhas, a expectativa é de que o sedimento solto na água tenda a se acumular em torno delas. Conforme a água se torna mais limpa, moluscos voltarão a se proliferar no local e ajudarão a filtrá-la mais.

“O lago se tornará muito mais atraente para esportes aquáticos e amantes da natureza. As Marker Wadden se tornarão acessíveis para o público”, afirma o site do projeto.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!