Com menos poluição, vida de paulistano seria 16 meses mais longa

Com base em dados de poluição, saúde e mortalidade, pesquisadores calcularam o tempo de vida e o dinheiro perdidos com a alta poluição em São Paulo

 

Um paulistano que tem hoje 30 anos poderia ter a sua expectativa de vida ampliada em quase 16 meses se a poluição do ar da cidade se adequasse às recomendações da OMS (Organização Mundial de Saúde).

Essa é uma das conclusões do trabalho “Avaliação do Impacto na Saúde da Poluição do Ar em São Paulo, Brasil”, publicado no dia 11 de julho no International Journal of Environmental Research and Public Health. Ele foi realizado por pesquisadores do Laboratório de Economia, Saúde e Poluição Ambiental, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.