Cunha renunciou à presidência da Câmara. Por que ele fez isso e o que vem agora

Diante de provável cassação, deputado dá um passo atrás para tentar emplacar um novo presidente da Casa que o ajude a escapar da perda do mandato

    O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renunciou na quinta-feira (7) ao cargo de presidente da Câmara dos Deputados. Seu mandato ia até 31 de janeiro de 2017.

    Ele já estava afastado do cargo e do mandato de deputado, além de proibido de frequentar a Casa, desde 5 de maio, por ordem do Supremo Tribunal Federal, que entendeu que Cunha usou as prerrogativas da função para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato e barrar o avanço do processo de cassação contra si no Conselho de Ética da Câmara.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.