Por que cientistas britânicos e europeus estão preocupados com o Brexit

Saída dos países britânicos da União Europeia deve afetar financiamentos na área de desenvolvimento e pesquisa, além da integração entre pesquisa científica nos países da Europa

    Anthony Wilson é um pesquisador em entomologia do Pirbright Institute, em Surrey, na Inglaterra. Desde que os britânicos votaram pela saída do Reino Unido da União Europeia no dia 23 de junho, Wilson tem inundado seu perfil no Twitter com memes e posts preocupados com o impacto da decisão na área de pesquisa científica no Reino Unido.

    Ele não é o único. A revista “Nature” entrevistou pesquisadores e coletou mensagens nas redes sociais escritas por cientistas que estão apreensivos e incertos diante das possíveis consequências do Brexit (União entre as palavras “Britain” - “Bretanha” - e “exit” - “saída”) para suas carreiras e para o desenvolvimento científico no Reino Unido. Uma pesquisa publicada na revista identificou que 83% dos cientistas não queriam o rompimento.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.