Grupos tentam legalizar crowfunding para financiar campanhas. Quais são os entraves

Com proibição de doações por empresas, organizações não-governamentais, startups e políticos sustentam que modelo pode incentivar engajamento de pessoas físicas nas eleições municipais

     

    As eleições municipais de outubro de 2016 serão a primeira desde o início dos anos 90 em que as campanhas estarão proibidas de receber doações de empresas privadas. Candidatos a vereador e a prefeito vão arcar com os custos de seus comitês com o dinheiro do Fundo Partidário (dinheiro da União destinado a partidos) e doações de pessoas físicas.

    Historicamente, porém, esse tipo de doação representa a menor fatia do total arrecadado. O percentual é ainda menor quando se consideram doações pela internet. Em 2014, quando as empresas ainda podiam doar, o montante obtido on-line não chegou a 1% nas campanhas presidenciais.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.