Ir direto ao conteúdo

Para além da microcefalia: os diagnósticos de bebês atingidos pelo zika

Segundo pesquisadores, novos casos devem continuar a aparecer, por isso médicos devem examinar bebês cuja mãe teve suspeita de contato com o vírus mesmo quando não houver microcefalia

     

    Em artigo publicado no dia 7 de junho na renomada revista “The Lancet”, pesquisadores brasileiros descreveram o caso de um bebê sem microcefalia, mas com lesões graves na retina e no cérebro causadas pelo vírus zika.

    Até então, esse tipo de lesão havia sido encontrado apenas em bebês com microcefalia, quando o cérebro do feto não cresce dentro do normal.

    A má formação é um dos sinais da chamada síndrome congênita do zika, decorrente da contaminação da mãe durante a gravidez pelo vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. Ela está relacionada também a problemas auditivos, problemas visuais, convulsões e dificuldade de digerir dos bebês.

    Hospitais têm, como regra, detectado a microcefalia para depois testar as crianças para outros problemas relacionados a essa síndrome.

    O novo estudo, realizado por cientistas da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e da Fundação Altino Ventura, de Pernambuco, defende que esse protocolo seja revisto.

    Ele encontrou problemas neurológicos e na retina em um bebê que nasceu com 38 semanas de gestação, 3,5 quilos e perímetro do crânio de 33 centímetros – tamanho considerado normal para a idade. A descoberta estabelece que:

    • O bebê teve confirmada a presença de infecção por zika. Não foram detectadas nele ou na mãe toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, herpes, HIV ou dengue.
    • Os médicos encontraram calcificação cerebral e lesão grave na retina.
    • Isso mostra que problemas neurológicos relacionados ao zika podem ocorrer em crianças que não nasceram com microcefalia.

    Em entrevista à "Revista Fapesp", Rubens Belfort, professor da Escola Paulista de Medicina, ligada à Universidade Federal de São Paulo, e coautor do estudo afirmou que o bebê começou a ter convulsões alguns dias após o nascimento.

    Novos critérios de diagnóstico

    Os cientistas recomendam que a microcefalia deixe de ser um critério para a triagem e testes óticos passem a ser realizados em qualquer bebê com suspeita de infecção por zika. “Problemas oculares podem ser subdiagnosticados se a microcefalia continuar a ser um critério [para os testes]", afirmam.

    "É necessário testar as mães para o zika durante o pré-natal e, quando der positivo, acompanhar as crianças após o nascimento e fazer a oftalmoscopia [exame capaz de encontrar lesões na retina]", afirmou Belfort à "Revista Fapesp".

    Belfort afirmou também que casos semelhantes estão sob avaliação e devem ser confirmados em breve. “Resolvemos já divulgar este primeiro para a informação científica circular mais rápido.”

     

    ESTAVA ERRADO: A versão original deste texto informava que a Escola Paulista de Medicina é ligada à Unesp (Universidade Estadual Paulista). Na verdade, é ligada à Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). A informação foi corrigida às 16h20 de 21 de junho de 2016.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!