Mulheres na rua: 10 respostas contra a cultura do estupro

Reclamações de manifestantes mostraram pontos em comum, como cansaço perante as pequenas agressões, indignação diante da impossibilidade de tomar decisões sobre o próprio corpo e falta de representação na política

    As mulheres estão nas ruas para protestar contra a cultura do estupro. Nesta quarta-feira (1º), em São Paulo, elas se reuniram em um grande ato na avenida Paulista, que caminhou por ruas centrais da cidade. Em determinado momento da manifestação, entoaram juntas uma contagem de 1 a 33.

    Foi uma referência, em tom de protesto, ao número de homens que participaram, em maio, de um estupro coletivo no Rio, de acordo com o relato da vítima, uma adolescente de 16 anos.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.