A situação da Samarco, sete meses após a tragédia de Mariana

Ministério Público questiona acordo firmado entre mineradora, União e Estados de Minas Gerais e Espírito Santo e pede remuneração oito vezes maior

 

Em novembro de 2015, uma barragem de rejeitos de minério da empresa Samarco, de propriedade da Vale e da anglo-australiana BHP Billiton, se rompeu.

A lama invadiu um distrito de Mariana, cidade histórica de Minas, deixou 19 mortos, se espalhou pelo rio Doce e, após percorrer 700 km, desaguou no litoral do Espírito Santo, causando um desastre ambiental sem precedentes no país.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.