Ir direto ao conteúdo

União Europeia quer liberar acesso a artigos científicos até 2020. Qual o impacto da medida

Decisão tem potencial de democratizar acesso à ciência e relativizar o poder de grandes editoras privadas

 

Países-membros da União Europeia decidiram na última sexta-feira (27) que todos os artigos científicos financiados com verbas públicas deverão ser de acesso público até 2020. A meta tem o potencial de diminuir o poder de um seleto grupo de cinco grandes editoras privadas de determinar o que é e o que não é relevante na academia do ponto de vista global.

A decisão foi tomada após um encontro de dois dias em Bruxelas entre ministros de Ciência, Inovação, Comércio e Indústria, e faz parte de um grupo de recomendações chamadas de Open Access, que têm o objetivo de democratizar o acesso a dados científicos.

Atualmente, pesquisadores do mundo inteiro têm como meta pessoal ter seus trabalhos publicados em revistas renomadas cujo acesso se dá por meio de assinaturas pagas.

Esse é um dos mecanismos utilizados por governos para determinar se o dinheiro investido em pesquisa é bem aproveitado. Para os pesquisadores, serve como prova de que seu trabalho é sério e reconhecido pelos pares - e de que eles merecem receber verba para continuar pesquisando.

Como as revistas são pagas, quem não tem acesso a bibliotecas que as assinem tem que gastar para se atualizar com o que há de mais novo na ciência.

O conselho de ministros determinou que as pesquisas bancadas com dinheiro da União Europeia devem ser acessíveis, a não ser que haja razões como questões de direito autoral ou de segurança que justifiquem que o conteúdo permaneça fechado.

Nesse sentido, tal decisão pode vir a relativizar o poder dessas grandes publicações e democratizar o acesso ao conhecimento de ponta. A decisão não tem poder de lei, é vista como ambiciosa e de difícil aplicação por especialistas.

Mas serve como orientação política para os 28 governos que compõem a União Europeia. Ela foi impulsionada pelo posicionamento do governo dinamarquês, que atualmente é o presidente rotativo do bloco europeu.

"O tempo de falar sobre Open Access já passou. Com esses acordos nós vamos alcançá-lo na prática”

Sander Dekker

Secretário Dinamarquês para Educação, Cultura e Ciência, em comunicado

O Nexo selecionou alguns pontos para explicar por que a medida pode mudar o jogo de poder no mundo acadêmico.

Quem decide o que é relevante academicamente no mundo?

O estudo “O Oligopólio das Editoras Acadêmicas na Era Digital”  mostra que cinco grandes editoras privadas, Reed-Elsevier, Springer, Wiley Blackwell, Taylor & Francis e Sage, foram responsáveis pela publicação de mais de metade dos trabalhos científicos mais citados e com maior visibilidade internacional em 2013.

Ele foi realizado a partir da análise de 44 milhões de documentos presentes no banco de dados Web of Science, da agência internacional Thomson Reuters. O Web of Science mapeia as citações que trabalhos científicos recebem no mundo acadêmico, um importante elemento para determinar a relevância de um determinado estudo.

Segundo dados sobre o que foi publicado entre 1973 e 2013, o controle das cinco grandes editoras sobre esses trabalhos mais relevantes só aumentou nas últimas décadas. Mesmo com a ampliação do papel da internet que, em tese, tornaria mais livre o acesso à informação.

Essas publicações não  financiam as pesquisas científicas que divulgam. Contudo, bibliotecas de universidades, pesquisadores e gente interessada do mundo inteiro são obrigados a pagar para elas para ter acesso às informações publicadas.

Um relatório da Associação das Editoras Médicas, Técnicas e Científicas apontou que esse mercado teve receita de US$ 9,4 bilhões em 2011 - o valor total não compreende apenas o arrecadado pelas cinco grandes editoras.

As empresas argumentam que a verba é empregada em manter a qualidade das publicações, com quadros de editores qualificados, por exemplo, que as tornam grandes referências internacionais.

A medida muda o jogo?

Em entrevista ao Nexo, Abel Packer, diretor do programa Scielo, que agrega na internet artigos científicos de publicações brasileiras gratuitas, afirma que a decisão da União Europeia deve diminuir o poder das grandes editoras, mas apenas a médio e longo prazo - caso seja, de fato, colocada em prática.

“Essas revistas vão continuar a ter uma relevância reconhecida por outros. Para obter financiamento para um grande projeto de pesquisa ainda é preciso publicar nesses veículos de prestígio. Para romper com isso, as publicações abertas terão que ganhar relevância, e isso ainda vai demorar muito tempo”

Abel Packer

Diretor do programa Scielo

Como funciona no Brasil?

Em geral, publicações abertas se financiam por meio  de um modelo em que a verba para a publicação é paga pela instituição ou cientista que publica, ou pela instituição responsável pela revista.

Segundo Packer, o Brasil tem hoje cerca de 5.000 publicações científicas. Praticamente nenhuma se mantém pelo modelo de assinaturas, mas com verbas de universidades e da sociedade civil. Entre essas, 280 que são consideradas de alto padrão de qualidade são replicadas no Scielo.

 

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!