Eletrônicos na tomada, mas sem uso, também consomem energia. Qual é o peso na conta de luz

Estudo faz os cálculos dos gastos nas residências dos EUA. No Brasil, há pouca informação sobre o tema

Segundo um estudo da ONG NRDC (Conselho de Defesa dos Recursos Naturais), lares americanos têm em média 65 aparelhos eletrônicos plugados permanentemente nas tomadas. A carga de energia que eles dispendem quando não estão em uso é chamada de “carga estática”.

23%

Da energia dos lares americanos é gasta apenas mantendo aparelhos ligados na tomada, segundo estudo do NRDC

Isso significa US$ 19 bilhões anuais em conta de luz, diz o estudo do NRSD. Edison Massao, professor de engenharia elétrica da universidade Mackenzie, afirma que esse tipo de gasto ocorre de diversas formas, mas destaca dois principais: a lâmpada para manter o visor de aparelhos funcionando ou a transformação de energia em calor por parte dos aparelhos - como acontece, por exemplo, com uma bateria ligada na tomada, quer ela esteja carregando um eletrônico, ou não.

Como é no Brasil?

O gasto de energia por equipamentos desligados é pouco estudado no Brasil, afirma o professor. Ele não conhece estimativas de quanto uma residência média gasta nesses casos. Mas avalia que, como o nível de renda médio da população é menor, e os equipamentos eletrônicos, mais caros, a proporção de gastos no país como um todo não é tão alta quanto nos Estados Unidos.

Apesar disso, “os eletrônicos estão ficando mais acessíveis e esse gasto deve estar aumentando”, avalia. Ele afirma que estão se tornando mais comuns lares com mais do que uma TV, além de laptops, videogames e uma profusão de celulares.

Como funcionou o estudo?

O estudo levou em consideração 70 mil lares na Califórnia, metade deles sob clima ameno, na costa do Pacífico, e metade em “zonas climáticas mais severas”, no interior do estado. Não foram coletados dados sobre o perfil dos domicílios desse grupo. Apesar da diferença de clima, que poderia justificar o uso maior de aparelhos como aquecedor ou ar condicionado, os resultados sobre a proporção da energia gasta pelos aparelhos desligados não variaram significativamente.

Um grupo menor, de 2.750 lares na região de San Francisco, teve dados sobre tamanho das residências, idade e número de ocupantes registrados. O objetivo era entender como esses fatores influenciavam a proporção de energia gasta por equipamentos desligados.

Quais aparelhos gastam mais energia quando desligados?

O trabalho apontou que grandes gastadores de energia, como ares-condicionados e aquecedores, correspondiam por apenas 15% do gasto estático dos aparelhos. O gasto de eletrônicos como televisores, computadores, impressoras, videogames era bem maior: 51% do total.

Além disso, as versões mais recentes de aparelhos como lava-louças ou lava-roupas têm componentes digitais, o que faz com que gastem energia mesmo quando não estão em funcionamento. Eles totalizam 6% do total.

Optar por aparelhos econômicos mesmo quando desligados faz a diferença no gasto de energia. Por exemplo, a carga estática de impressoras varia de 2 para 26 watts por casa. A de telefones sem fio, de 1 para 12 watts. O gráfico abaixo mostra como se dividiram os gastos de eletrônicos quando desligados com base em 10 residências analisadas de forma mais aprofundada pelo estudo:

Gastos por tipo de aparelhos eletrônicos

*Categoria inclui televisores, roteadores, videogames, celulares etc. A categoria “variados” inclui itens diversos, como câmeras de segurança e ventiladores

Gastos por aparelhos

O trabalho dividiu os gastos de energia por tipo de aparelhos desligados. A título de comparação, uma lâmpada de 100 watts gasta essa energia em uma hora acesa, o que é o suficiente para iluminar um cômodo de 10 a 12 m², diz Massao, do Mackenzie.

TVs

13 watts por dia

Modems

11 watts por dia

Computadores desktop

9,5 watts por dia

Sistemas de segurança

8,2 watts por dia

Áudio e vídeo

7,5 watts por dia

Computadores laptop

7,1 watts por dia

Impressoras, fax, copiadoras

6,3 watts por dia

Roteadores sem fio

5,5 watts por dia

Telefones sem fio

2,2 watts por dia

É possível diminuir despesas

O trabalho apontou que o gasto de energia variava consideravelmente mesmo entre residências de tamanho similar. Isso sugere que existem “oportunidades significativas para reduções”.

Se esse gasto fosse reduzido para 80 watts para cada 92 metros quadrados, como já ocorre em 25% dos lares pesquisados, os Estados Unidos economizariam US$ 8 bilhões em contas de luz. Isso sem falar na emissão de poluentes.

“Grande parte da carga estática pode ser economizada através de ações de baixo custo ou sem nenhum custo por consumidores motivados e informados sobre o dinheiro e energia que gastam sem nenhum motivo”, diz o trabalho.

Como gastar menos com aparelhos desligados

  • Estabelecer regras exigindo que fabricantes criem aparelhos com o gasto mínimo de energia necessário para quando estão desligados
  • Consumidores devem comprar eletrônicos com gasto menor de carga
  • Desconectar aparelhos que não costumam ser usados, como, por exemplo, a televisão do quarto de hóspedes
  • Usar timers, aparelhos que permitem definir horários específicos quando tomadas deverão transmitir ou deixar de transmitir carga
  • Ligar equipamentos a filtros de linha. Isso torna mais fácil desligá-los todos de uma vez quando não estiverem em uso

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: