Mulheres e negros em grandes empresas: muitos na base, poucos no topo

De acordo com estudo, situação é especialmente ruim para mulheres negras, e poucas empresas adotam medidas de incentivo

     

    Uma pesquisa realizada entre 500 empresas com os maiores faturamentos do país mostrou dados desanimadores no que diz respeito à distribuição de cargos na estrutura corporativa brasileira. Os mais representados entre aprendizes das grandes empresas, mulheres e negros - categoria que reúne pretos e pardos -, são minoria no comando, nos conselhos administrativos.

    E não há tendência clara de melhora. Pretos e pardos aumentaram sua participação entre funcionários, mas diminuiram sua proporção entre gerentes desde 2007. Desde 2010, caiu a proporção deles entre executivos.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.