Ir direto ao conteúdo

Mulheres e negros em grandes empresas: muitos na base, poucos no topo

De acordo com estudo, situação é especialmente ruim para mulheres negras, e poucas empresas adotam medidas de incentivo

     

    Uma pesquisa realizada entre 500 empresas com os maiores faturamentos do país mostrou dados desanimadores no que diz respeito à distribuição de cargos na estrutura corporativa brasileira. Os mais representados entre aprendizes das grandes empresas, mulheres e negros - categoria que reúne pretos e pardos -, são minoria no comando, nos conselhos administrativos.

    E não há tendência clara de melhora. Pretos e pardos aumentaram sua participação entre funcionários, mas diminuiram sua proporção entre gerentes desde 2007. Desde 2010, caiu a proporção deles entre executivos.

    Há poucas ações coordenadas para mudar essa estrutura. Quando há medidas de incentivo, elas são “em maior parcela ações pontuais, e não políticas com metas e ações planejadas”, diz o estudo.

    Os dado foram obtidos entre dezembro de 2014 e maio de 2015 com base em questionários para preenchimento on-line, enviados às empresas. Eles integram o estudo “Perfil social, racial e de gênero das 500 maiores empresas do Brasil e suas ações afirmativas”, elaborado pelo Instituto Ethos em parceria com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). As companhias foram selecionadas a partir do anuário “Maiores e Melhores de 2014”, produzido pela revista “Exame”.

    O que a pesquisa diz sobre a participação de pretos e pardos

    Apesar de representarem 52,9% da população do país, pretos e pardos são apenas 34,4% dos trabalhadores das maiores empresas.

    No geral, atuam na base dessas companhias. Eles respondem por 57,5% dos aprendizes e 58,2% dos trainees. E são minoria nos cargos mais altos.

    6,3%

    É a proporção de pretos e pardos na gerência das maiores empresas do Brasil

    4,7%

    É a proporção de pretos e pardos no quadro executivo

    4,9%

    É a proporção de pretos e pardos nos conselhos de administração. Os membros desses grupos fiscalizam executivos,traçam diretrizes e dão a palavra final sobre grandes negócios, por exemplo.

    A pesquisa aponta a existência de um “afunilamento hierárquico” nas companhias. Ou seja, mais negros na base e menos no topo das estruturas administrativas.

    Afunilamento hierárquico

     

    Piora

    Não há tendência clara de melhora na participação entre os quadros mais altos. Em 2010, negros eram 5,3% dos executivos. Em 2015, 4,7%. Em 2007, eram 17% dos gerentes, e em 2015 sua proporção caiu para 6,3%.

    Proporção de pretos e pardos

     

    Mulheres negras

    Entre mulheres pretas e pardas, a situação é ainda mais desfavorável. Elas são apenas 1,6% da gerência. E 0,4% do quadro executivo. Ou seja, a pesquisa encontrou duas mulheres pretas e pardas, entre 548 executivos analisados.

    De onde vem o problema

    Para a maioria dos gestores pesquisados pelo Ethos, há menos negros do que o ideal entre executivos, supervisores ou funcionários. Para 41,4%, o problema principal é a falta experiência da empresa em lidar com a falta de funcionários negros. Mas para 48% deles, isso vem de um problema externo à empresa: a falta de qualificação profissional de negros para os cargos. E para 10,3%, falta interesse de negros por cargos na companhia.

    Medidas de incentivo

    A maior parte das empresas não tem nenhuma medida de incentivo visando a ampliar a proporção de funcionários negros, mesmo quando se levam também em consideração ações pontuais - e não políticas envolvendo planejamento e metas, por exemplo.

    Companhias com incentivos por tipo de cargo (%)

    Cargos menores

    Nos casos em que existem, essas ações são voltadas para cargos baixos. 19,6% das empresas têm incentivos para aumentar o número de pretos e pardos entre estagiários. Mas só 14,5% têm incentivos desse tipo para o quadro executivo.

    O que a pesquisa diz sobre a participação de mulheres

    Mulheres são 51,4% da população brasileira, e tiveram aumento em sua participação em cargos de gerência. Eram 22,1% dos gestores em 2010, e passaram a ser 31,3% em 2015.

    Os dados não apontam, no entanto, para uma tendência sustentada de alta: elas eram 31% do total de gestores em 2005, ou seja, sua participação vem aumentando e caindo de pesquisa em pesquisa.

    No quadro executivo elas continuam praticamente com a mesma representação que tinham em 2010 nesse grupo: “13,7% então e 13,6% agora”.

    11%

    É a participação das mulheres nos conselhos de administração.

    Afunilamento hierárquico

     

    “As mulheres continuam sendo tratadas como trabalhadoras de segunda categoria. E isso se observa basicamente em dois aspectos: nos salários (as mulheres recebem 70% da massa salarial obtida pelos homens) e no famoso “teto de vidro”, responsável pelo escasseamento da presença feminina nos cargos superiores, ainda que tenham as competências necessárias para tanto”

    Rachel Moreno

    Psicóloga, no relatório ‘Perfil social, racial e de gênero nas grandes empresas brasileiras, do Instituto Ethos’

    O estudo ressalta que grande parte dos principais gestores dessas organizações critica a atual estrutura organizacional das grandes empresas. De acordo com o trabalho, 55% consideram haver menos mulheres do que deveria na gerência, e 64% pensam o mesmo quanto ao quadro executivo.

    Medidas de incentivo

    A maior parte das empresas não tem nenhuma medida de incentivo visando ampliar a proporção de funcionárias mulheres. Quando comparado com o caso dos negros, no entanto, há um foco maior em incentivo à presença de mulheres em cargos de chefia. 35,1% das empresas têm incentivos para gestoras. A proporção cai, no entanto, no topo da estrutura corporativa, como mostra o gráfico abaixo.

    Companhias com incentivos por tipo de cargo (%)

     

    Ações pontuais

    A pesquisa relativiza o potencial desse tipo de incentivo, no entanto, destacando que “a maior parcela das medidas se referem a ações pontuais”, e não medidas estabelecendo metas de aumentar para um nível preestabelecido a proporção de executivas, por exemplo.

    Proporção

    No caso dos negros, gestores julgam a sua participação insuficiente em todos os tipos de cargos. Mas em se tratando de mulheres, a maior parte dos gestores vêm a sua participação como inadequada apenas para os cargos executivos. Isso apesar de elas serem minoria também na gerência e na supervisão.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!