Por que o número de mulheres presas cresce em um ritmo maior do que o de homens presos

Mal posicionadas no mundo do crime, mulheres são especialmente afetadas pela Lei de Drogas, diz pesquisadora

    Em dez anos, o número de mulheres encarceradas no Brasil mais do que dobrou. Elas eram 18.790 em 2004, e chegaram a 38 mil em 2014, um aumento de 102%. O ritmo é muito superior ao dos homens - no mesmo período, o crescimento foi de 80% para os presidiários do sexo masculino.

    Os dados são do Infopen (Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias), divulgado nesta terça-feira (26). Para pesquisadores, eles são um reflexo de uma política que elegeu a guerra às drogas como estratégia primordial e têm como consequência um alto custo social: mais crianças longe das mães e mais mulheres sujeitas a problemas ligados ao encarceramento, como adoecimento e mortes violentas.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.