Ir direto ao conteúdo

Por que o Reino Unido está preocupado com a pornografia

Livre acesso à pornografia online faz governo britânico emitir um documento que prevê “robustos controles” para o conteúdo sexual na rede

    Antes um nicho, a pornografia extrema e violenta foi assimilada pelo mainstream da pornografia on-line. Ela serve de divulgação para estupro e sexo agressivo, está cada vez mais acessível e é preciso proteger as crianças de sua influência. É isso que afirma um documento assinado por quadros do governo que integram o Conselho Britânico para Segurança Infantil na Internet. O relatório diz, ainda, que produtores de pornografia devem ter uma responsabilidade maior sobre o público.

     

    As leis do país já determinam que DVDs e revistas pornográficos não podem ser vendidos para menores de idade, e que na TV conteúdo sexual só seja exibido depois das 22h. O problema é a internet. Embora já haja mecanismos de proteção - filtros pré-instalados pelas operadoras, por exemplo -, o governo defende um endurecimento das medidas.

    Nenhum dos sites pornográficos mais visitados no Reino Unido são baseados no país, logo não são objeto da regulação britânica. Por isso, segundo o documento  “Segurança infantil on-line: Verificação Etária para a Pornografia”, seria necessário estabelecer uma lei obrigando reguladores a criarem “robustos controles” no país.

    Estudos mostram que a pornografia influencia no sexo da vida real

    Segundo informações da empresa de análise de dados digitais ComScore, entre os jovens com acesso a internet, 20% daqueles com menos do que 18 anos de idade assistiram filmes pornográficos no Reino Unido. Na faixa entre 6 a 14 anos, 13% tiveram acesso a esse tipo de conteúdo.

    A recomendação por maior regulação do governo britânico aponta que conteúdo retratando sexo agressivo pode influenciar jovens a também fazerem sexo com agressividade.

    Ainda não há consenso sobre o tema, mas o relatório do governo cita, entre outros dados, um estudo publicado em 2010 na revista da Sociedade Internacional para Pesquisa em Agressão, que afirma que essa relação existe. O trabalho “Material com classificação XXX e a prática de comportamento sexualmente agressivo entre crianças e adolescentes: há ligação?” afirma, com base nos relatos dos próprios participantes, que a exposição de jovens a pornografia violenta aumenta em seis vezes as chances de que realizem sexo violento. 

    O documento do governo britânico também menciona um estudo encomendado pelo Departamento para Cultura, Mídia e Esporte sobre o que se sabe a respeito de pornografia. Ele foi compilado por especialistas do Instituto de Internet de Oxford, que concluem que “a cultura jovem parece ter sido afetada por imagens sexuais; que crianças e jovens estão preocupadas com pornografia on-line e que ver tais imagens pode ter efeitos sobre as crianças”.

    Um relatório encomendado pelo Conselho Britânico para Segurança Infantil na Internet citado também estabelece uma relação entre o acesso e exposição de crianças à pornografia e imagens violentas e suas crenças sexuais. Essa exposição estaria ligada a “comportamentos de risco”.

    “Quando jovens acessam esse material, ele pode transformar em normal um comportamento que pode ser danoso para o futuro de seu desenvolvimento emocional e psicológico no futuro”, diz o relatório do governo britânico, que propõe “proteger crianças de imagens perturbadoras ou não realistas de sexo. Claramente, essas imagens podem danificar sua habilidade de desenvolver relacionamentos pessoais baseados em respeito e consentimento.”

    A medida do governo britânico, no entanto, provocou críticas por ser, na interpretação de especialistas, simplista. Para Jaclyn Friedman, autora do livro “Sim significa Sim! Visões do Empoderamento Sexual Feminino e um Mundo Sem Estupro”, o problema não está na facilidade do acesso à pornografia, mas “na falta básica de uma profunda educação sexual”.

    Ela propõe a aplicação de um conceito chamado de “educação para a pornografia” (“porn literacy”), que educaria jovens sobre o fato de que aquilo que estão vendo na pornografia não é uma representação de como o sexo ocorre na prática. “Pornografia é uma edição péssima do que o sexo é na vida real. Não é realista”, disse ela em uma entrevista ao site Foreign Policy.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!