Como OEA e Unasul veem o impeachment. E qual o risco de Temer não ser reconhecido

Representantes de órgãos regionais criticam impeachment, mas censura ao processo só viria com aprovação de todos os países-membros

     

    Na sexta-feira (15), após encontro com a presidente Dilma Rousseff, em Brasília, o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, o uruguaio Luis Almagro, publicou nota oficial dizendo que “o impeachment constitui um ato de flagrante ilegalidade”. O documento também afirma o seguinte:

    “Nossa organização fez uma análise detalhada sobre o julgamento político que teve início contra Dilma e concluiu que não se enquadra nas normas que sustentam esse procedimento”

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.