Do Facebook para as ruas: como o ódio político se transforma em violência física

Desigualdade social e econômica, polarização e alvo específicos são alguns dos elementos que preconizam violência política

     

    Entre a terça-feira (15) e sexta-feira (18), quase uma dezena de relatos nas redes sociais deram conta de agressões entre manifestantes contra o governo Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula e outro grupos que se opõem ao impeachment.

    Alguns depoimentos vêm de pessoas que disseram ter sido agredidas só por estarem vestidas de vermelho, a cor da bandeira do Partido dos Trabalhadores, de vários movimentos da esquerda brasileira e que é comumente associada a ideologias de esquerda em outros países. Mas nesta quinta-feira, até mesmo um dos organizadores dos protestos pelo impeachment, Marcello Reis, foi agredido pelos manifestantes que ele mesmo reuniu.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.